Ovidac 5000 IU

41.60

Compare
REF: 12052 Categoria: Etiqueta:

Descrição

OVIDAC 5000UI

Esteróides anabolizantes, insulina, hormônio do crescimento e hormônios da tireóide são todas as drogas que agora estão incluídas no arsenal dos fisiculturistas profissionais. No entanto, esta não é uma lista completa. Por exemplo, alguns dos atletas sérios negligenciam algo como drogas gonadotrofinas.

Hormônio gonadotrófico coriônico (o nome completo desta droga ou hCG para abreviar), não é um esteróide anabolizante. Mais precisamente, é um hormônio proteico que é produzido na placenta (útero) de mulheres grávidas. O hCG é formado no corpo feminino nas primeiras 6-8 semanas de gravidez e possibilita a produção subsequente de estrogênios e progestagênios no corpo lúteo.

Como resultado, a produção desses hormônios começa na própria placenta. HCG entra nos rins da corrente sanguínea e é então excretado na urina. É por isso que é extraído da urina de mulheres grávidas. Introduzido de fora, o hCG facilita o processo de ovulação nas mulheres, pois no momento da maturação do óvulo entra em ação e promove sua liberação. Além disso, o hCG promove a produção de estrogênios e o corpo lúteo.

HCG e musculação

HCG atrai a atenção dos fisiculturistas por outro motivo. O fato é que esta droga tem quase as mesmas qualidades do hormônio luteinizante (LH), que é formado na glândula pituitária. Nos homens, o hormônio luteinizante estimula as células germinativas nos testículos e aumenta a produção de hormônios androgênicos (testosterona). Portanto, o hCG injetável é usado por atletas para aumentar a produção de testosterona e a contagem de esperma. À medida que a dosagem de drogas esteróides é reduzida e ainda mais após a descontinuação total de seu uso, os usuários geralmente experimentam uma queda notável na força e na massa muscular.

Isso se deve principalmente ao fato de que seu corpo está com muita falta de testosterona. Já no início do ciclo de esteróides, o arco hipotálamo-hipófise-testículos é interrompido. Os esteróides aumentam o nível de testosterona sintética no sangue em várias vezes seu nível normal e enviam um sinal para o hipotálamo. O hipotálamo, por sua vez, envia um sinal à glândula pituitária para reduzir ou interromper completamente a produção do hormônio folículo-estimulante, por exemplo. a produção de testosterona natural.

Como resultado, o hormônio luteinizante passa a atuar com menor intensidade nas células germinativas nas quais a testosterona é produzida. A ingestão adicional de hCG permite corrigir a situação e aumentar a produção natural de testosterona enquanto pedala com esteróides anabolizantes. Além disso, uma vez no corpo, o hCG começa a funcionar quase instantaneamente.

HCG é geralmente único devido à sua ação de duas fases. O primeiro pico do aumento dos níveis plasmáticos de testosterona no sangue começa cerca de duas horas após a injeção de hCG e o segundo, após cerca de 48-96 horas. Ao mesmo tempo, o nível médio de testosterona no plasma aumenta e a altura dos picos e o nível médio dependem, segundo pesquisas de cientistas, da dose de hCG que é administrada.

Quanto hCG será necessário?

Se falarmos sobre quanto hCG deve ser injetado, podemos dar apenas uma recomendação aproximada, pois cada indivíduo é diferente e precisará de dosagens diferentes para neutralizar a força e a duração dos esteróides usados ​​em um ciclo. Por exemplo, o notório Bill Philips aconselha tomar 4.000UI por semana durante duas a três semanas. Além disso, a maioria dos conhecidos de fitness e fisiculturistas também aderem a esses números.

No entanto, existem outras recomendações, segundo as quais a ingestão de hCG deve ser abordada individualmente, com base no tempo de duração do curso, nos esteroides usados ​​no curso e nas doses altas. E se, por exemplo, Dianabol e Sustanon foram a base do seu ciclo de esteróides, a dosagem de hCG deve ser maior. Outra questão diz respeito à frequência com que injetar essas substâncias gonadotrofinas.

Um dos fisiculturistas ingleses favoritos tem a opinião de que 1.000-1.500UI de hCG serão adequados para serem injetados a cada dois dias. Por outro lado, de acordo com pesquisas de cientistas, uma única injeção de hCG de cerca de 1500UI aumenta o nível de testosterona no plasma em 250-300% e esse nível dura vários dias (cinco-seis). Portanto, é possível que injeções menos frequentes, digamos a cada cinco dias, sejam mais apropriadas. Para o uso de hCG em fisiculturistas iniciantes ou atletas que desejam manter viva sua produção natural de testosterona durante um curso pesado, 500-1.000UI duas vezes por semana serão mais que suficientes para suas necessidades. Isso se deve ao fato de seus hormônios não terem tanto abuso de esteróides anabolizantes quanto alguns dos fisiculturistas mais avançados e experientes. Portanto, dosagens menores de hCG serão muito mais eficazes no caso deles.

Se falarmos sobre quanto tempo se deve ficar em hCG, então aqui quase todas as fontes são unânimes: não mais do que três a quatro semanas no máximo. Caso contrário, os testículos reagirão muito mal às injeções de hCG e até mesmo à sua própria liberação do hormônio luteinizante, o que pode levar à hipofunção das gônadas.

Ao mesmo tempo, as pausas entre os cursos de gonadotropina, segundo Phillips mesmo, devem ser de pelo menos seis meses, embora para um fisiculturista. Permanecer em esteróides por oito a dez meses, até um ano em alguns casos, essa condição é difícil de cumprir.

Quando tomar hCG?

Quando você deve tomar hormônios gonadotrópicos? A resposta a esta pergunta também é ambígua. Em Portugal, a prática é generalizada de que o hCG é injetado após o término do curso de esteróides. Acredita-se que seria mais razoável iniciar o ciclo de hCG enquanto a dosagem de esteróide está sendo reduzida ou completamente interrompida para que o hCG promova seus efeitos completos.

Assim que você começa a reduzir a ingestão de esteróides, o corpo se torna cada vez mais deficiente em testosterona. E, como consequência, alguma perda de força e volume muscular pode ser observada já nesta fase, embora a propriedade única dos esteróides seja que eles são anticatabólicos e mesmo doses relativamente pequenas são capazes de manter os volumes musculares e indicadores de força, mesmo com a falta de calorias, que é o que eles usam, esses efeitos começarão a ser interrompidos à medida que os hormônios artificiais começarem a se erradicar da corrente sanguínea. É aqui que o hCG se tornará mais eficaz.

Faz sentido realizar cursos de hCG em outras situações? Sim, quando se trata de ciclos de esteróides muito longos, três meses ou mais. Nesses casos, é muito aconselhável fazer um curso de duas a três semanas e consumir um bom ciclo de hCG para promover os testículos a permanecerem vivos e não desligarem (como são instruídos com excesso de testosterona sintética circulando pelo corpo). Isso irá, pelo menos, revigorar um pouco as glândulas sexuais. Alguns atletas, tendo terminado o curso de esteróides, fazem uma pequena pausa e, após três semanas, iniciam um novo ciclo de hCG para estimular novamente os testículos a voltar à ação.

Uma droga para todas as curas?

A gonadotrofina é a substância mágica que o ajudará a manter todos os resultados obtidos com os esteróides? Infelizmente não. Embora o hCG estimule a produção de testosterona para começar a funcionar, ele não afeta o arco hipotálamo-hipófise-testicular e não contribui para sua restauração. Como resultado, as injeções de gonadotrofinas apenas suavizam e retardam o efeito de colapso que ocorre após o término do curso de esteróides.

É por isso que fisiculturistas experientes calculam diferentes combinações e tentam complementar a ingestão de hCG com o uso de medicamentos como, por exemplo, Clenbuterol e Citrato de Clomifeno (Clomid). O HCG não pode substituir os esteróides quando se trata de construir massa e é pouco utilizado quando se trabalha na definição muscular, embora alguns atletas acreditem firmemente que a gonadotrofina tem um efeito de queima de gordura e dá aos músculos uma firmeza extra.

Tentativas de aumentar os níveis de testosterona por meio de injeções antes de uma competição podem fazer sentido, mas isso traz um certo risco, já que o hCG pode ser encontrado no teste de controle de doping. No entanto, apesar de todos os itens acima, as gonadotrofinas ainda permanecem extremamente populares entre os fisiculturistas quando precisam manter seus próprios hormônios e testículos vivos enquanto correm pesado de ciclo longo para alcançar os corpos e os resultados que desejam.

Informação adicional

Marca

Avaliações

Ainda não existem avaliações.

Seja o primeiro a avaliar “Ovidac 5000 IU”

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *